quinta-feira, 3 de abril de 2008

Às vezes há tanta coisa em mente, que os olhos recebem uma súbita cegueira e vamos apenas com a (in)consciência, e aqui não vemos nada além de nós mesmos. Não é egoísmo, não é egocentrismo, é realidade. Acho que o mundo vêm às pessoas com muita velocidade num curto espaço de tempo, é preciso ser forte, atento e calmo.
Acho que uma parte da janela de sonhos se fechou, e isso já tem muito tempo, mas eu não via, ou melhor enxergava demais, percebia coisas onde não existia absolutamente nada. Agora pelo incrível que pareça a janela cresce mais rápido do que nunca, tão rápido quato as asas do beija-flor que toca teu nariz a procura da doce felicidade que demonstras com um sorriso tão puro e verdadeiro.

Muito maior é o barulho do vazio,
Cresce, vem tomando conta e some.
Vai pra bem longe,
Ao mesmo tempo que tão perto,
tão distante de mim.

Um comentário:

N. disse...

Pode até ser loucura minha, já que adoro brincar com as palavras, mas tenho a impressão de sempre ter algo a mais nos teus versos; uma gota de mistério nas entrelinhas...

;**