quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Ri de mim mesmo. Chovi durante dias uma chuvinha de verão. Já me perguntei várias vezes o porquê das definições impostas a nós desde sempre. Particularmente, não vejo sentido para algumas delas. A torta, por exemplo, recebe um nome disforme enquanto os confeiteiros caprichosamente tentam fazer daquela "torta" a oitava maravilha do mundo. Definiu, não definiu? A torta, mesmo sendo torta, não é torta e se há algum aniversário com uma torta realmente torta, significa que o aniversariante não quer ver o tempo passar, não é feliz em envelhecer, quer ter uma velhice torta. Por falar em velhice, tá aí outra coisa que não entendo, não que seja uma definição, mas velhice é um estado ímpar. Assim como na infância, o "acometido" (se é que se pode dizer issim) acostuma-se à banguelice e aos passos trôpegos, livra-se das responsabilidades e volta a ver felicidade onde um adulto "normal" (normalidade? só no dicionário) não veria. Ao mesmo tempo, espera a morte. É, não que nas outras idades ela esteja distante, mas alguém velho tem a morte como um próximo passo, sempre acha que está com "meio caminho andando". Mas não acho que seja o momento de falar dela. Definindo a morte, mesmo que isso seja contraditório ao resto do post, daria a ela a definição de mãe, pai, braços, cajado, terra, caixão, flores, velas, luz branca, calor... É tanta coisa numa única palavra que nem vale a pena discorrer. De fato, definir é sim o meio de sobrevivência de algumas pessoas e quem sou eu para contrariar? O Dicionário, por exemplo, está cheio de definições, mas convenhamos, quem as segue? Segui-las-ia caso fosse propício, todavia, a inocuidade dos vocábulos nos faz crer que somos donos da língua. Por isso, que se dane ênclese, mesóclise, próclise, verbos, artigos (definidos ou não), substantivos e toda a família do Aurélio e Houaiss, quero mais é viver as minhas definições, mesmo sendo essas um pouco tortas.

5 comentários:

Rafael Costa disse...

Subversões, sempre são válidas!

Rafael Costa disse...

á te uma virgula onde não existe é válida

Raquel Villela disse...

Gostei, adicionei seu blog a lista do meu, espero que não se importe.

ARCANO disse...

Voce escreve intensamente bem.

Gustavo Machado disse...

Raquel Villela, fiquei feliz por ter me adicionado, mas não consegui ver o seu =/