sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

O natal passou mais uma vez, as casas continuam brilhando, procurando chamar atenção de quem passa, pra dizer "olhem, aqui tem natal, aqui tem luzes, comida em exagero e muitos, muitos presentes". Hoje, já não vejo o natal como via antes e ao mesmo tempo que tenho pena disso, sinto-me feliz por ver a verdade. Entrei em um grande dilema quando fui pedir meu presente de natal aos meus pais, percebi que não precisava de nada, tinha o que queria, no momento. Eis o problema, estava pressionado a pedir algo "Filho, é natal!". Legal, é natal, mas o que é o natal? Pra mim, o mais interessante dessa época é estar com a família, ir pra sacada e conversar... Os presentes? Ah, vêm como consequência como em qualquer época do ano. Quando estava na noite do dia 24, conversando, rindo, relembrando momentos ao lado de meus familiares, os presentes ficaram em segundo plano, passava a meia noite e eu nem queria saber deles. Acho que tive uma pequena noção do que de fato é esse dia 25, não é apenas abrir de maneira voraz um papel bonito, que garda a fútil felicidade, na verdade é esquecer de tudo e aproveitar do amor que existe entre as pessoas. Quem grita sobre o verdadeiro significado do natal, levanta ainda o estandarte do luxo, da pompa e da imponência desnecessária, não é do homem este papel. Árvores e bonecos feios gigantes "enfeitam a cidade", tentando esconder a verdade. Muita gente nunca soube o que é esse natal do consumo (sorte ou azar?), sentem-se excluidos. Poucas pessoas se preocupam com isso, uma pena. Já assistiram à missa do galo? Imagine se todo o ouro que adorna o cerimonial celeste do Santo Papa fosse derretido e convertido em moedas (vamos vangloriar o capitalismo, somos obrigados nesse caso), muita gente poderia experimentar um pouquinho do natal que passa na TV, mas o povo adora ser antitético, prefere a diferença e a exclusão, acho que é pra não peder o domínio. HA HA HA, que domínio?

2 comentários:

César Vinicius disse...

é sempre aquela coisa "a mente que se abre a uma nova idéia, jamais voltará ao seu tamanho original"
fico chateado, muito chateado com essa situação, pessoal comemorando o que mesmo?

Rafael Costa disse...

Ixi Gustavo, você nao vai entender, é subjetivo demais
ou seja pouquíssimo lógico.