sábado, 9 de fevereiro de 2008

Há dias que não são dias, são páginas loucas para serem viradas, lidas e usadas. São páginas de um livro amarelado largado as traças, vivendo sobre o descaso e o medo.

É bom saber que a vida dificilmente é aquilo que a gente escreve, sempre tem um quê de imaginação em meio a cada palavra. Minha sorte é essa, até porque aquilo que eu escrevo é sem sentido e minha vida, parece estar seguindo um rumo.

Um comentário:

Eámanë disse...

Acredito que o que escrevemos é muito mais do que somos, e é algo que só nos pertence, nada pode tirar isso de nós ;)
Já a vida, essa tem que ser compartilhada, caso contrário vira apenas um texto que não pode ser lido.