sábado, 24 de novembro de 2012

Da soltura do pensamento

Ciúme:
Nunca vi, nem comi, só ouço falar. Dizem que é uma ausência oca que arde no peito e irradia pra mente. Um vazio que dá sentido à mente insana por motivos. Ciúme é essa coisa monstra que faz  em dor o que não era pra ser sentido. Ciúme é sentir o que pode ser, lamentar o que não é, chorar o que já foi. É obrigar, xingar, soltar, clamar, ver, fazer acontecer e desacontecer o que, às vezes, não é. Ciúme no fundo, é aquilo que não é, não chega a ser desamor, pode ser um poramor, um além-amor . Não. É um meu-amor(sem o teu amor). Pode ser ainda que ciúme seja uma parte constituinte do sangue que passa no coração. Uma parte viral que minimiza o real e transforma em migalhas o que outrora já alimentou. Ainda bem que nunca senti.

4 comentários:

Gabis disse...

Pra quem nunca sentiu tu escreve com bastante propriedade.
Belas palavras, pra variar!
Beijo!

Geni disse...

Haha, que texto maravilhoso! Não conta pra ninguém, mas eu já senti uma (apenas, haha) vez e é tão do jeito que vc falou!...

erika regina disse...

Imagina se já tivesse sentido então! haha Belas palavras Gu.

Capitu disse...

Posso fazer um tratado sobre esse sentimento...meu inimigo intimo