domingo, 13 de janeiro de 2008

Demorei?

Ao som da mesma múscia por repetidos longos minutos, adentro na madrugada com medo do amanhecer. Há dias uma preocupação toma conta da minha mente, é inevitável eu sei, não deveria ser. Todos os problemas deveriam ter uma solução rápida e indolor. Caminhar e chegar onde parece ser o fim está longe de ser a resposta.
Há muito tento ver coisas que minha visão não permite, mesmo sozinho no alto das pedras olhando o mar bater violentamente onde o homem não pode pisar, onde sua ambição não penetra, não vi nada além da fria verdade. Acho que as vezes a realidade deveria omitir algumas coisas, tudo seria como nos contos de fadas, mas rapaz acorda, não tens mais idade pra isso, desculpa. Acho que queria ter a inteligência de Violet Baudelaire pra poder resolver as coisas com uma invençao e não permitir com que nada impeça a felicidade, mas ela não vem. "Tudo sempre tem uma solução", essa frase só serve pra quem vê além, não me enquadro nessa família, mesmo tendo ao lado (no sentido figurado) aqueles que nos dizem que tudo é natural e que nada mais importa além da felicidade, mas meu amigo, chegar a ela é o problema, quem sabe encontraremos um dia, porque parece que ela corre contra nós.
Eu sei que isso não tem nexo nenhum, que esse bando de palavras empilhadas não servem pra nada além de enfeitar uma página negra com um cabeçalho sem fundamento, mas se não for isso o que vai ser?
Se não fosse assim, como seria? Tudo poderia ser diferente, e quando eu digo isso é em plenitude mesmo, o plano então é fazer outro plano e seguir em frente mesmo que este seja não fazer absolutamente nada em meio a um mundo de ocupações e afazeres.
Ao mesmo tempo que prefiro te ter longe, quero ao meu lado, acreditar no que não existe faz bem se não seria a sociedade um bando de adultos frustados, não há infancia sem conto de fadas e não há um nada sem um tudo. Acho que o ponto crucial é criar um mundo, viver nele e ser feliz para sempre.

Um comentário:

muriloalvess disse...
Este comentário foi removido pelo autor.